Gerações Fast-Food

Análises de gerações baseadas somente no período de nascimento são simplistas, superficiais e, o mais importante, erradas — e acabam ativando viéses de confirmação sobre bolhas arbitrariamente selecionadas por uma dinâmica que Foucault chamou de “saber-poder”.

Essa é apenas uma das conclusões que se tira da apresentação da Inesplorato a que assisti ontem (4/9/2019), em comemoração aos 10 anos da empresa, já uma das melhores que vi este ano.

Finalmente alguém teve a coragem e a fundamentação acadêmica para colocar em cheque ideias equivocadamente universalizadas – mas vendedoras de muitos livros e palestras – como “babyboomers”, “geração X”, “millennials” e afins.

A boa notícia: há um jeito bem menos tosco (e relativamente simples) de dividir e analisar “unidades geracionais” – que não são a mesma coisa que “gerações”.

Enfim: OMEDETOU, Patricia Chmielewski, Tulio Custodio e todos os envolvidos — e obrigado pela aula.

Aos profissionais de negócios, marketing, comunicação e afins, fica minha sugestão: conheçam o quanto antes esse estudo, pois ele certamente vai colocar em cheque vários de seus critérios de segmentação de público, de planejamento de mídia e de otras cositas más.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s